Durante toda a vida os pais se preparam para o dia em que seus filhos sairão de casa e ganharão o mundo. Mas quando isso realmente acontece alguns pais não encaram este momento de forma saudável, e acabam entrando em choque.

Na maioria das vezes, os pais tem certa dificuldade e resistência em aceitar o crescimento dos filhos, pois percebem que estão perdendo suas funções paternas e maternas naturais. Tanto que é comum que alguns pais passem a cuidar dos filhos como se fossem crianças, na tentativa ilusória de mantê-los por perto.

Esta fase proporciona a oportunidade de reexaminar o significado da família em todos os níveis. Se antes o casal tinha uma rotina voltada exclusivamente para os filhos, esta fase pode ser assimilada como vazia e sem significados, principalmente para as mães.

Todo esse pesar dentro desta fase de mudança pode caracterizar a Síndrome do Ninho Vazio, que tem início, em geral, na a crise da adolescência, quando os filhos estão se reorganizando emocionalmente pra a construção da identidade adulta e se preparando para se tornar independentes dos pais.

E por não saber lidar com a saída dos filhos, o sentimento de saudade acaba ganhando proporções prejudiciais à vida dos pais, o que pode causar, além da sensação de vazio e inutilidade, crises de ansiedade, angustias, dificuldades no dia a dia, crises depressivas e problemas psicossomáticos.

Para ajudar a amenizar a saudade, identificar outros desejos, tentar dar novos sentidos ao futuro, fazer atividades fora de casa, por exemplo, ajudam o casal a ter outros papéis que não sejam apenas de pais.

A preparação para a nova realidade é fundamental. É importante que os pais separem ao máximo a vida deles da de seus filhos; para se adaptar às mudanças é importante aceitar a dor e intensificar outros desejos, tentar dar novos sentidos para o futuro.

O período em que ocorre a síndrome do ninho vazio não é feito só de tristeza. Seus efeitos, em geral, se misturam à alegria de ver os filhos independentes.